Fotografia de moda: as dificuldades e facilidades por trás das câmeras

12:50


Matéria desenvolvida durante a aula de Jornalismo Especializado, do curso de Jornalismo, do Centro Universitário Toledo, ministrado pela professora Fernanda Mariano, no ano de 2013.



Por Angélica Brito
Créditos das fotografias: Clayton Khan



A fotografia é considerada por inúmeras pessoas algo que qualquer um pode praticar, basta simplesmente ter uma câmera nas mãos e você será um fotógrafo profissional. Para os leigos pode até ser assim, e é assim que vem sendo ultimamente. Mas quem conhece as técnicas e já está na área há algum tempo sabe perfeitamente bem que nem tudo são flores.

Para ser um profissional não basta apenas amar fotografar e ser fotografado, mas como em qualquer carreira é preciso ter experiência. A fotografia nada mais é do que a arte de escrever com a luz. Ela traz lembranças, guarda histórias, traduz sentimentos e emoções e é algo que pode se tornar eterno, que faz parte da vida de cada um de nós. 

Mesmo para os fotógrafos que estão no ramo há algum tempo, a fotografia de moda ainda pode ser um bicho de sete cabeças. É preciso treinar o olhar, testar os equipamentos, analisar quais são os melhores horários para se fazer um editorial externo, trabalhar o ISO, e claro, conhecer suas limitações.

De acordo com a fotógrafa formada em Artes Plásticas pela FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado), Jussara Cristina Marangoni, um bom equipamento é essencial para um resultado satisfatório em editoriais de moda e desfiles, porém o profissional deve saber qual é o seu objetivo. “Para os desfiles é recomendável uma lente que seja versátil e que possibilite a fotografia em distância, como uma teleobjetiva 70-300mm, por exemplo. Para os editorias de moda, todas as objetivas são possíveis de se trabalhar, porém o fotógrafo deve saber o que deseja passar para o público com o resultado das imagens”, afirma Jussara. 

            
Para o professor universitário de fotografia dos cursos de Comunicação Social, Clayton Khan, um bom resultado depende do foco do trabalho. “Tudo está na proposta e no conceito, mas gosto e utilizo muito a 70-200mm, o que me possibilita uma abertura maior para ter grandes desfoques”, explica Clayton.

Por ser um ambiente muito movimentado, os desfiles de moda exigem muito mais agilidade do fotógrafo de plantão, no entanto é possível improvisar em meio à correria do momento. “Desde que o fotógrafo conheça bem o assunto em questão e domine seu equipamento é possível conseguir excelentes resultados com equipamentos muitas vezes simples, tudo é questão do olhar, da percepção”, destaca Jussara Marangoni.

A pouca iluminação ou o excesso dela nos desfiles também são fatores que podem prejudicar os fotógrafos caso eles não estejam preparados para isso. É aconselhável que o profissional seja capacitado para trabalhar em eventos noturnos, investindo com seus melhores equipamentos. De acordo com o fotógrafo, Clayton Khan, a quantidade de cores na iluminação pode prejudicar na escolha de uma boa imagem. “A utilização do flash é essencial para a fotografia de passarela, pois o exagero de iluminação acaba distorcendo as cores das roupas e dos modelos. O ISO recomendado vai de acordo com a iluminação do local e da capacidade de elevação da câmera, devido à granulação da imagem”, comenta o profissional. 


Uma iluminação natural também pode ser o diferencial em alguns editorias de moda. Fugir dos padrões dos estúdios e fotografar ao ar livre oferece ao profissional a disponibilidade de abusar da luz do sol e também de suas sombras, basta saber improvisar quando faltar algum equipamento. “Os melhores horários para se fotografar externamente podem variar, mas a preferência é o meio da manhã e o meio da tarde, onde a luz não está a pino e não existe excesso de raios UV”, destaca a fotógrafa Jussara Marangoni.

Com cursos realizados em São Paulo e Milão (Itália) destinados à fotografia de Moda, Khan afirma que com a extensão dos horários dos trabalhos o profissional deve utilizar equipamentos adicionais. “Como não podemos ter uma longa pausa entre um horário e outro o uso do rebatedor é fundamental para um bom resultado, auxiliando na falta de luz ele ajuda a compor e a trabalhar as sombras excessivas, equilibrando a exposição da imagem e gerando uma luz agradável”, finaliza Clayton Khan.

You Might Also Like

0 comentários